Confira a review do jogo ‘Wolfenstein II: The New Colossus’

Confira a review do jogo 'Wolfenstein II: The New Colossus'

 


Publicado pela Bethesda, The New Colossus tinha a difícil missão de dar sequência a umas das melhores surpresas do gênero de tiro em primeira pessoa dos últimos anos: Wolfenstein: The New Order.

Os primeiros minutos do jogo, ocorrem praticamente depois dos momentos finais do The New Order, tal qual passagem levam para o passado o protagonista B.J. Blazkowicz, mostrando uma família desestruturada, um pai abusivo tanto com o filho quanto com a mãe. Para mostrar como Blakzowicz tem de ser um “homem”, seu pai o força a atirar em seu cachorro. Ao vê-lo incapaz de fazer isso, seu pai então o xinga por ser “fraco demais” e “que nem sua mãe”. Um disparo é ouvido e logo após isso o enterro do cachorro, e B.J. Blazkowicz é acordado com uma chuva de balas no corredor de seu alojamento.

Ação

Como o Doom de 2016, a ação é veloz e carrega mecânicas típicas de shooters clássicos, como a vida que não se regenera e arsenal inteiro a sua disposição, com exceção de algumas armas especiais. Ele, inclusive, quebra algumas convenções entregando ao jogador armamentos poderosos já no começo da aventura.

A troca de tiros em The New Colossus continua tão frenético como em seu antecessor, seja levando uma só arma nas mãos, uma arma diferente em cada mão, armas pesadas roubadas de inimigos ou nas sangrentas execuções corpo-a-corpo usando um machadinho. Matar nazistas ainda é a parte mais deliciosamente satisfatória deste game.

Algumas novidades

Uma das novidades é a possibilidade de decriptar códigos que revelam a posição de comandantes nazistas em missões opcionais, basicamente uma forma de revisitar lugares da campanha e procurar por colecionáveis deixados para trás. Em uma reviravolta absurda, o jogo também oferece a oportunidade de escolher um dentre três novos movimentos, que permitem Blazkowicz acessar lugares secretos ou transitar entre áreas com mais agilidade, útil também para causar emboscadas.

Também há o novo sistema de atualização das armas, que podem ser melhoradas durante a campanha com novos tipos de munição, redução de coice ou aumento de capacidad, e as chamadas “contraptions(grupo de equipamentos especiais que podem ser liberados em missões paralelas)” e permitem que Blazkowicz ganhe algumas vantagens táticas na hora de enfrentar nazistas.

Graficos

O jogo está bastante polído visualmente. Até elementos como a interface gráfica do jogo foram bem pensados de forma a aumentar a imersão do jogador. Um problema, porém, é que o jogo não é capaz de rodar na resolução 21:9. Uma pena já que estamos em 2017 e esse segmento de monitores ganha cada vez mais força.

Diversão

O jogo  possui uma dificuldade considerável para alguns jogadores, já que a frustração de se morrer por coisas bestas é frequente, ainda que não grande o suficiente para acabar com sua experiência: assim como The New Order, a curva de aprendizado e de dificuldade de The New Colossus não é nada suave, essa dificuldade que pode convidar o jogador a lançar o controle contra a televisão.

Apesar da história ser um pouco rasa, a trama é absurda e divertida o suficiente para levar o jogador até a conclusão da história, com um desfecho que deixa qualquer um pronto para continuar descendo bala em nazistas.


 

Wolfenstein II: The New Colossus está disponível para o PlayStation 4, Xbox One e PC.


 

Comentários

hydrahouse-com-br